7 dias sem roupa - Associação Pensamentos ao Vento

Go to content

Main menu:

Estar sem roupas é saudável, por isso eu fi-lo durante 7 dias e aqui está o que aconteceu.

Nunca fui daquelas pessoas que gostasse da natureza constritiva das roupas. Isto começou desde tenra idade. Em criança, quando a minha mãe me fazia festas de aniversário, ela punha-me num lindo vestido de princesa que qualquer rapariguinha normal iria adorar e, assim que ela virava costas, eu arrancava-o e montava o meu cavalo de baloiço em pelo. Conforme fui crescendo, finalmente concordei em manter os meus vestidos em público, mas muitas vezes sem nada por baixo porque sentir o ar a subir até cá acima sabia melhor que um gelado na praia.

Há uma liberdade incomparável em deixar tudo à mostra. Só de pensar nisso lembro-me do tempo em que podia puxar o vestido por cima da cabeça em frente de toda a gente e não ser julgada por isso. Mas, surpresa das surpresas, depois de uma pequena pesquisa, descobri que a nudez pode realmente levar a um melhoramento da saúde emocional e  física. Eu disse, a senhora Lincoln, do ATL, devia ter passado algum  tempo nua.

Foram feitos alguns estudos sobre os benefícios de dormir sem roupa e, ainda de acordo com um inquérito nacional, apenas 8% dos americanos o fazem. Foi-me difícil de compreender isto porque, aparte do facto de a maioria da nossa nação não fazer a mínima ideia como sabe bem sentir os lençóis  na pele nua, pode ajudar a dormir melhor, perder peso e até melhorar o relacionamento. Isto fez-me pensar, se dormir nua pode melhorar a minha vida de forma tão significativa, como será se eu passar mais tempo nua  no meu dia-a-dia? Será que vai fazer diferença em apenas uma semana?

Falei com a Dra. Fran Walfish, psicoterapeuta relacional, autora do livro Pais conscientes e coapresentadora do programa Sex Box da WE TV, e ela achou que seria uma excelente ideia desde que o meu namorado (que vivia comigo) concordasse. Ela disse-me “dormir nua pode ser bom para a saúde porque pode ajudar a reduzir a tensão arterial. Também pode ser um ótimo antídoto para o stresse e a depressão.” A própria Dra. Fran experimentou um pouco a nudez e disse “quanto mais  tempo passava nua, mais me familiarizava com o meu corpo, mais confortável me sentia com ele e de mais aspetos acerca dele eu gostava.” Tudo isto me deixou ainda mais animada para experimentar eu própria.

Assim, iniciei a minha semana de experiência caseira de andar nua, largava todas as roupas e fazia a vida habitual. Aqui fica como foi e o que poderão aprender se o experimentarem também:

1. Sentimos que está frio sem roupas (mas só ao princípio)

O meu primeiro dia sem roupas foi definitivamente uma adaptação. Esquecera-me de considerar como seria mais frio passar a maior parte do meu dia em casa sem roupas. Assim, primeiro teria de retificar tal  situação. Liguei o aquecimento ao máximo em todas as divisões e enrolei-me numa bola até começar a aquecer. Assim que aqueci, senti-me  fabulosa. Liguei-me imediatamente àquela miudinha interior que gostava de andar nua; e ela queria ocupar o máximo de espaço possível. Dei por mim a espalhar o meu corpo por todo o lado onde quer que fosse, o que era estranho pois, honestamente, pensei que estaria um pouco hesitante de início. Não. Afinal não.

2. Cozinhar bacon por sua própria conta e risco

Eu trabalho a partir de casa e como tal tive imenso tempo para explorar esta maravilhosa liberdade recentemente descoberta. Assim como há imensa diversão em estar nua, também existem alguns… desafios interessantes, um deles foi preparar o pequeno-almoço.

Primeiro que tudo, os componentes do pequeno-almoço são conhecidos por salpicarem[1].  E ninguém está consciente desse facto até estar sem a barreira de proteção das roupas. Será desnecessário referir que ficava o mais afastada possível do fogão, o que tornava complicado virar o bacon. A nossa cozinha também tem uma grande janela de frente para uma escola e esta tarefa acontecia por volta da hora em que todos os autocarros traziam as crianças de manhã. Acabei por inventar uns interessantes passos de dança de modo a evitar ser vista.

3. Compreendemos os laços entre o casal de uma perspetiva totalmente diferente

Sem surpresas, o meu namorado (também o meu adorado e talentoso fotografo) ficou entusiasmado por eu levar esta experiência a cabo. Deixou-me perceber isto ao me seguir por onde quer que eu fosse, e até mesmo por se juntar ele próprio ao clube sem roupas. Se aprendi algo nesse dia, foi que mais nudez é uma grande revisão no pilar da relação do casal.

4. Coloca-se uma lupa metafórica nas próprias “imperfeições”

Tenho de ser honesta, pelo terceiro dia, estava um pouco frustrada por andar nua o tempo todo. Estou bastante confortável com o meu corpo, mas rapidamente as pequenas imperfeições começaram-me a maçar, especialmente porque não me era possível escondê-las atrás de uma camada de roupa. Foquei-me em covinhas que nunca me tinham incomodado, cicatrizes de varicela que nem sequer sabia que tinha e fiquei obcecada em encontrar e eliminar pelos escuros perdidos.

Para combater estes sentimentos produtores de ansiedade fiz o que sempre fiz: limpar o apartamento.

5. Sentimo-nos mais livres que nunca durante a limpeza doméstica

Por alguma razão, executar esta tarefa sem roupa foi muito terapêutico para mim. Senti que tinha mais amplitude de movimentos e encontrar o meu reflexo no vidro do duche e espelhos apenas de luvas calçadas fazia-me sempre soltar uma pequena gargalhada. Também me tornei um pouco exibicionista enquanto limpava as janelas. Na verdade nem pensava que fosse um aspeto da minha personalidade, mas lá estava. E para sua informação, limpar a caixa do gato nua não é assim tão nojento.

6. Algo se tentará intrometer entre si e o seu tempo a nu, mas mantenha-se firme.

Tive de sair do conforto (e quentinho) do meu apartamento para ir até New Jersey para “tempo em família”. Ao início, não fazia a menor ideia de como ia conseguir encaixar tempo sem roupas nesse dia porque, para lá do frio, pensei que os meus pais não se sentissem confortáveis comigo a passear nua pela casa deles. Mas, felizmente, saíram para uns pequenos afazeres e rapidamente me despi para experimentar a nudez lá em casa. Bom, isto foi divertido porque senti que estava a quebrar as regras e não há nada como nos sentirmos um pouco malvados enquanto estamos nus.

7. Exercitamo-nos melhor e sentimo-nos mais sensuais

Forcei-me a fazer mais exercício nua por estar nervosa ao sentir as minhas partes flácidas mais intensamente do que com roupa. Mas, sinceramente, como desejava não o ter feito porque exercitarmo-nos sem roupa é maravilhoso.
 
Sentia-me mais forte, menos vulnerável e mais sensual como há muito tempo não sentia; essa sensação durava todo o dia e aparentemente não é coincidência. De acordo com Natasha Turner, autora da “Dieta hormonal”,  estar nu pode efetivamente nos fazer mais sensuais. Quando se está nu, a temperatura corporal desce e “enquanto a temperatura desce, a hormona do crescimento é libertada e faz a sua magia regenerativa”. Ou seja, as células regeneram-se mais rapidamente e parecemos rejuvenescidos.

8. Vai apreciar muito mais o seu fato de nascimento

Fiquei verdadeiramente triste quando cheguei ao fim da minha experiência e tive de regressar a uma vida com roupa (que piada). Mas então percebi que não tinha de o fazer! Posso fazer isto sempre que quiser porque sou adulta e digo que qualquer dia pode ser dia sem roupas! No final da semana sentia-me muito mais confiante acerca do meu corpo. Creio que até perdi algum peso porque já não me sentia tão cheiinha quando estava nua.

No final da contas, nudez é bom. E recomendo-a vivamente a quem se quer sentir melhor consigo próprio, com a sua relação e com os hábitos de limpeza. No entanto, se decidir experimentar a nudez de forma prolongada e for fritar bacon ou aparar as garras do seu gato, proceda com extrema precação.

Traduzido e adaptado por José Luís Vieira a partir do artigo de Ally Hirschlag em
http://www.sheknows.com/health-and-wellness/articles/1077937/naked-experiment-7-days-without-clothes?adbpl=TW&adbpr=sheknows.com&adbpi=1077937
em 17/04/2016

Observação da Associação Pensamentos ao Vento: O próximo passo em direção ao Naturismo será a nudez social

[1] Nota do tradutor: O pequeno-almoço nos EUA é normalmente composto por fritos como ovos e bacon.
Back to content | Back to main menu