imagemcorpo - Associação Pensamentos ao Vento

Ir para o conteúdo

Menu principal:

“O Naturismo curou a minha má imagem corporal!”
Mulher revela como deixar tudo à mostra (e mudar-se para a segunda mais antiga comunidade naturista do Reino Unido) a ajudou a ultrapassar os seus demónios.

Tina Yates, reformada de Hertfordshire, lutava com a uma má imagem corporal. Uma cirurgia deixara-a com aquilo que ela descreve como uma enorme cicatriz “desfigurante”. Mark, marido e naturista, sugeriu uma viagem a um evento naturista para a curar. Surpreendentemente, resultou e Tina é agora, ela própria, uma naturista convicta a viver na comunidade naturista Spielplatz,
Bricket Wood em Hertfordshire.

Para Tina Yates, reformada de Hertfordshire, uma única visita a uma festa naturista com o seu marido Mark foi tudo o que necessitou para a convencer a abraçar o estilo de vida para ela própria. “Eu tinha uma má imagem do meu corpo. Tinha feito uma operação e fiquei com aquilo que pensava ser uma enorme cicatriz que me desfigurava e Mark levou-me a um mergulho na natureza,” recorda ela. “E, sabe, já nem dou por ela. Dá-nos imensa confiança. Sabe que sou quem sou, e pode ver a minha vida na minha cara, mas também a pode ver no meu corpo.”

Tina é uma de um número crescente de britânicos a abraçar o estilo de vida naturista e agora vive na segunda maior comunidade naturista do Reino Unido, Spielplatz. Localizada perto de St Albans, no povoado de Bricket Wood, a comunidade com perto de 5 hectares foi fundada em 1929 por Charles Macaskie e a sua esposa Dorothy, num pedaço de bosque como um retiro para eles próprios e para os seus amigos. Entre eles estava Ross Nichols, um académico de Cambridge e fundador da Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas, um grupo neopagão, e o seu amigo, Gerard Gardner, pai da moderna Wicca que estabeleceu o seu primeiro coventículo em Bricket Wood.

Ao passo que Wicca representa uma pequena parte da moderna vida de Spielplatz, a nudez e o estilo de vida comunitário com certeza representam a maior parte. “É basicamente uma vida normal”, explica Tina. “Os meus vizinhos são das mais variadas idades e alguns até já nasceram aqui. É uma comunidade pequena e onde todos se conhecem.” A comunidade está tão enraizada que até mesmo estafetas da Ocado ou ASOS[1] se tornaram uma parte regular na vida em Spielplatz. “Todos fazem entregas aqui,” acrescenta Tina. “Os estafetas são quase sempre os mesmos e por isso não há problemas. Frequentemente lhes dizemos para se despirem no portão!”

Para Tina, a sua jornada para a vida em Spielplatz começou quando o seu marido, ele próprio naturista, se lembrou desta drástica solução para os seus problemas de imagem corporal. Desconsolada com a enorme cicatriz no seu torso após uma cirurgia, o seu marido Mark decidiu animá-la levando-a a um evento naturista. Surpreendentemente, ela concordou em ir e diz que nunca mais olhou para trás desde então. “Eu tinha tido uma cirurgia e não estava confiante,” recorda ela. “Não gostava de me despir em frente dele ou de qualquer outra pessoa, por isso decidimos fazer algo acerca disso. No final, provou rápida e facilmente ser uma forma de curar e sem terapia.”

Agora, o casal chama casa a Spielplatz e despem-se regularmente, apesar de, como salienta Tina, ser naturista não implica necessariamente andar sempre nu. “Naturistas, ou nudistas, normalmente preferem estar sem roupa se estiver calor suficiente,” explica ela. “Se está frio, vestimo-nos, apesar de continuar a afirmar-me me como naturista. Se um jogador de cricket for a uma parada de orgulho gay em Londres continua a ser um jogador de cricket? Claro que sim, por isso é igual para mim.”

Ao contrário de membros mais extremistas da comunidade, Tina também afirma que se veste quando faz determinadas tarefas, como jardinagem, de modo a evitar arranhões em áreas delicadas. “Visto umas calças se for fazer jardinagem,” ri-se ela. “Se estiver a abrir um buraco, calço as galochas! Se estiver a fazer um churrasco, ponho um avental!”

Ela também ri da ideia das pessoas se excitarem num ambiente naturista, afirmando que raramente acontece em Spielplatz. “Raramente acontece,” explica ela. “As roupas são mais eróticas. Estar nu não é particularmente excitante. O corpo nu não é tão excitante como com um biquíni ou uma camisa de noite rendada. Se alguém tiver uma ereção, normalmente disfarça. A maioria das pessoas anda com uma toalha para se sentar e põem-na em volta da cintura.”

Apesar de tudo (o momento mais estranho e embaraçoso) Tina afirma que Spielplatz é o seu pequeno paraíso e convida todos os que pensam que o Naturismo é estranho a virem experimentar. “Os críticos podem pensar o que quiserem, para nós isto é normal, “ revela ela. “Devem vir e experimentarem ou apenas vir e visitar para ver como é. É mesmo um pequeno paraíso. É calmo e tranquilo, apesar de gostarmos de festas ocasionais, tal como qualquer outra pessoa.”

Tina acabou por aceitar o seu corpo tal como ele é e afirma estar mais feliz que nunca. “O Naturismo fez-me perceber que me assemelho a todas as outras pessoas, apenas com uma forma diferente,” explica ela. “Estou aqui porque me sinto confortável, feliz e, neste momento, é aqui que pertenço.”

[1] Supermercado e loja de roupas, respetivamente.

Traduzido e adaptado por José Luís Vieira a partir do artigo de Ruth Styles
http://www.dailymail.co.uk/femail/article-2636516/Nudism-cured-bad-body-image-Woman-reveals-baring-moving-UKs-second-oldest-naturist-community-helped-overcome-demons.html
em 16/06/2016
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal